Luís Ferreira

Foto: Carlota Melo
Foto: Carlota Melo

  Com uma morte na estrada, quando regressavam de uma actuação do grupo, os FORCADOS AMADORES DO MONTIJO, passaram por mais um dificil momento de profunda tristeza e pesar.
     De lamentar a morte de LUÍS FERREIRA, que se havia estreado ao serviço do grupo, na Praça de Toiros de Albufeira, no dia 3 de Julho de 2009, frente a um novilho da Herdade das Sesmarias, cuja pega havia consumado de de caras à primeira tentativa.
     LUIS FILIPE CLÉRIGO FERREIRA, nasceu em Salvaterra de Magos e encontrou a morte num brutal acidente de viação na auto-estrada A2, na zona de Aljustrel, no dia 5 de Julho de 2009, aos 18 anos de idade. 

Foto: Carlota Melo
Foto: Carlota Melo

António Gouveia

António Gouveia nasceu em Alcácer do Sal a 4 de Agosto de 1966, era filho do maioral da Ganadaria de Branco Núncio.
Gouveia começou a pegar toiros no Grupo de Forcados Lusitanos, com 19 anos de idade, era cabo Francisco Costa.

No “mundillo” taurino, António Gouveia era conhecido por “caça ratos”.

Depois dos Lusitanos, passou a envergar a jaqueta dos Amadores do Montijo, era cabo José Luís Figueiredo.
 
Na digressão aos Açores no ano de 1991, dos Amadores do Montijo, António Gouveia pegou no dia 3 de Agosto de 1991, em Praia da Vitória um toiro da Ganadaria de Paulo Caetano.
 Dia 4 de Agosto de 1991 - completava 25 anos de idade, realizava-se mais uma corrida da digressão, em Angra do Heroísmo (Ilha Terceira). António Gouveia tentou pegar um toiro da Ganadaria de Gaspar Baldaya, com ferro Rego Botelho, com o peso de 500 Kgs., que havia sido lidado pelo cavaleiro local João Carlos Pamplona. 


Colhido com gravidade, foi enviado para o Hospital de S. Miguel, onde viria a falecer vitíma de traumatismo craniano, fractura de coluna e diversas lesões internas, que haviam resultado da brutal colhida.
António Gouveia era casado e deixou um filho com 20 meses. A consternação estava patente no rosto dos inúmeros amigos que o acompanharam até à sua última morada, na sua terra natal, Alcácer do Sal. 

José Horta

Momento de profundo pesar para os Amadores do Montijo, foi vivido no mês de Maio do ano de 1991, quando no regresso de um treino, na recta de Pegões, o forcado José Horta é vítima de um brutal acidente de viação, que lhe "ceifou" a vida.
 
José Horta um forcado natural do Montijo, que despontava, era filho de uma legenda da forcadagem nacional, e que integrou durante anos o grupo de Forcados Amadores do Montijo, o popular José Luís Horta-"Maxinó".